quarta-feira, 30 de abril de 2008

Maxivest I (de 77 a 87)

77- Das frases seguintes, uma contém uma locução adjetiva:

  • Esta é a torneira de água quente.
  • Comprei uma lâmpada vermelha.
  • O piano dela é alemão.
  • Esta boneca é muito feia.
  • Ela é uma mulher corajosa.

Locução adjetiva é a junção de duas ou mais palavras com valor de adjetivo. Geralmente é formada por preposição + substantivo. Por exemplo:

De cristal = cristalino

De ouro = áureo

De prata = argênteo

Adjetivo é a classe gramatical que modifica substantivo ou pronome substantivo. Locução adjetiva, portanto, é a junção de duas ou mais palavras que modifica um substantivo. A única frase que contém isso é a primeira: o substantivo torneira é modificado pela locução adjetiva de água quente.

Os outros substantivos são modificados por uma só palavra cada: lâmpada vermelha; piano alemão; boneca feia; mulher corajosa.


 

78- Nas frases faz-lhes mal a escuridão e ...que mal se adivinhará... a palavra mal é, respectivamente, substantivo e advérbio. Pode ela ainda ter outra classificação, como numa das frases seguintes. Assinale-a:

  • Que mal há em ser idealista?
  • Tudo, tudo vai mal, meu bom amigo.
  • A chuva começou a cair, mal saímos.
  • Os namorados agora estão de mal.
  • Provou os frutos da árvore do mal.

Mal será substantivo quando significar aquilo que é nocivo; o que se opõe à virtude; angústia, tormento; opinião desfavorável; desvantagem.

Mal será advérbio quando modificar verbo, adjetivo ou outro advérbio: Ela escreve mal; Verdades mal sabidas; Vive mal.

A outra classe gramatical a que pertence mal é conjunção, cujo significado é logo que.

A frase que apresenta mal sendo conjunção é a terceira: A chuva começou, mal saímos = A chuva começou logo que saímos.


 

79- Na frase Passaram dois homens a discutir, um a gesticular e o outro com a cara vermelha, o termo a está empregado, sucessivamente, como:

  • artigo, preposição, preposição
  • pronome, preposição, artigo
  • preposição, preposição, artigo
  • preposição, pronome, preposição
  • preposição, artigo, preposição

Os vocábulos o, a, os, as podem pertencer às seguintes classes gramaticais:

Artigo: quando antecederem um substantivo: o homem; a mulher; os homens; as mulheres.

Pronome pessoal oblíquo átono: quando funcionarem como objeto direto, substituindo ele, ela, eles, elas: Comprei-o; comprei-a; comprei-os, comprei-as.

Pronome demonstrativo: quando substituírem este(s), esse(s), aquele(s), esta(s), essa(s), aquela(s), isso: Não entendi o que ele disse = Não entendi aquilo que ele disse. A que me contou a história foi a esposa de João = Aquela que me contou...

Preposição: O a será preposição quando for exigida por verbo, substantivo, adjetivo ou advérbio para estes se ligarem com outros elementos: Obedecer a algo; obediência a algo; ele é obediente a algo; agiu obedientemente a algo.

Na frase apresentada há o seguinte:

Passaram dois homens a discutir, um a gesticular e o outro com a cara vermelha.

... a discutir... e ...a gesticular...: o a é preposição, pois ligam um verbo a outro: passar e discutir; passar a gesticular. Em Portugal, é muito comum o uso da prep. a
+ infinitivo; no Brasil, usamos gerúndio: a discutir = discutindo; a gesticular = gesticulando.

... a cara...: o a é artigo, pois antecede o substantivo cara.


 

80- "Talvez seja bom que o proprietário do imóvel possa desconfiar de que ele não é tão imóvel assim". A palavra em destaque é, respectivamente:

  • substantivo e substantivo
  • substantivo e adjetivo
  • adjetivo e verbo
  • adjetivo e adjetivo
  • adjetivo e advérbio

em proprietário do imóvel, imóvel é substantivo, pois está antecedido do artigo o. Já em não é tão imóvel assim, é adjetivo, pois modifica o pronome ele: ele não é imóvel.


 

81- Qual a classe gramatical do a respectivamente em

  • Esta gravata é a que recebi.
  • Estou disposto a tudo.
  • Fiquei contente com a nota.
  • Comprei-a logo que a vi.

Em a que recebi o a é pronome demonstrativo, pois pode ser substituído por aquela: Esta gravata é aquela que recebi.

Em disposto a tudo, o a é preposição, exigida pelo adjetivo disposto: quem está disposto, está disposto a algo.

Em com a nota, o a é artigo, pois antecede o substantivo nota.

Em Comprei-a logo que a vi, o a é pronome pessoal oblíquo átono que substitui o pronome ela.


 

82- Onde o a é, respectivamente, artigo, pronome pessoal e preposição?

  • 1- Esta é a significação a que me referi e não a que entendeste.
  • 2- A dificuldade é grande e sei que a resolverei a curto prazo.
  • 3- A escrava declarou que preferia a morte à escravidão.
  • 4- Esta é a casa que comprei e não a que vendi a ele.
  • 5- A que cometeu a falta receberá a punição.

1- Em a significação, o a é artigo, pois antecede o substantivo significação; em a que me referi, é preposição que antecede pronome relativo, exigida pelo verbo referi-se: quem se refere, refere-se a algo; em a que me entendeste, é pronome demonstrativo, pois pode ser substituído por aquela.

2- Em a dificuldade, é artigo, pois antecede o substantivo dificuldade; em a resolverei é pronome oblíquo, pois substitui o pronome ela; em a curto prazo, é preposição, que poderia ser substituída por em: em curto prazo.

3- Em a escrava, é artigo, pois antecede o substantivo escrava; em a morte, é artigo, pois antecede o substantivo morte; em à escravidão, é a contração da preposição a com o artigo a; por isso a crase.

4- Em a casa, é artigo, pois antecede o substantivo casa; em a que vendi é pronome demonstrativo, pois pode ser substituído por aquela; em a ele é preposição exigida pelo verbo vender: quem vende, vende algo a alguém.

5- em A que cometeu a falta, é pronome demonstrativo, pois pode ser substituído por aquela; em a falta, é artigo, pois antecede o substantivo falta; em a punição, é artigo, pois antecede o substantivo punição.


 

83- Em qual frase há erro quanto ao emprego do artigo?

  • Nem todas opiniões são valiosas.
  • Disse-me que conhece todo o Brasil.
  • Leu todos os dez romances do escritor.
  • Andou por todo Portugal.
  • Todas cinco, menos uma, estão corretas.

Todo(a): usa-se artigo após o pronome demonstrativo todo quando houver o significado de totalidade, inteiro(a) e o substantivo posterior o exigir. O substantivo próprio Brasil exige o artigo: O Brasil é um belo país. Já Portugal não: Portugal é um belo país. Estão, portanto, certas as frases "conhece todo o Brasil" e "andou por todo Portugal".

Todos(as): usa-se artigo após o pronome demonstrativo todos(as) sempre que o vocábulo à sua frente o exigir. Opiniões é um substantivo feminino plural; exige, portanto, o artigo as; este deve, portanto, ser usado: todas as opiniões.

Quando, depois de todos(as) houver um numeral, o artigo terá de ser usado se o numeral estiver acompanhado de um substantivo; caso contrário, não se usa o artigo. Portanto em Leu todos os dez romances, o artigo é obrigatório, pois o numeral acompanha o substantivo romances. Já em Todas cinco, não se pode usar o artigo, pois o numeral não acompanha substantivo.


 

84- Em qual frase o termo cego é um adjetivo?

  • Os cegos habitantes de um mundo esquemático sabem aonde ir...
  • O cego de Ipanema representava naquele momento todas as alegorias da noite escura da alma...
  • Todos os cálculos do cego se desfaziam na turbulência do álcool.
  • Naquele instante era só um pobre cego.
  • ... da Terra que é um globo cego girando no caos.

Adjetivo é a classe gramatical que modifica substantivo. O único que modifica substantivo é globo cego. Em todas as outras, é substantivo, pois está antecedido de artigo.


 

85- Onde há erro no emprego do artigo?

  • Em certos momentos, as pessoas as mais corajosas se acovardam.
  • Em certos momentos, as pessoas mais corajosas se acovardam.
  • Em certos momentos, pessoas as mais corajosas se acovardam.
  • Em certos momentos, as mais corajosas pessoas se acovardam.
  • Em certos momentos, a mais corajosas pessoas se acovardam.

O substantivo pode ser antecedido de artigo ou não. Se o for, especifica; se não o for, generaliza, ou seja, dizer as pessoas se acovardam é especificar que todas as pessoas se acovardam; dizer pessoas se acovardam é generalizar: quaisquer pessoas se acovardam, nem todas.

O substantivo pessoas foi modificado pelo adjetivo corajosas, que está intensificado pelo advérbio mais:

As pessoas mais corajosas se acovardam. A ordem dos elementos pode variar:

As mais corajosas pessoas se acovardam.

Pessoas as mais corajosas se acovardam.

O advérbio mais pode, ainda, ser enfatizado com o acréscimo de mais um artigo imediatamente antes dele. Esse artigo pode ser o mesmo do substantivo (no caso, as) ou o artigo masculino, singular: o. Pode-se, então, dizer:

As pessoas as mais corajosas se acovardam.

As pessoas o mais corajosas se acovardam.

A frase errada, portanto, é a última: A mais corajosas pessoas se acovardam.


 

86- Em qual dos casos o artigo denota familiaridade?

  • O Amazonas é um rio imenso.
  • D. Manoel, o Venturoso, era bastante esperto.
  • O Antônio comunicou-se com o João.
  • O professor João Ribeiro está doente.
  • Os Lusíadas são um poema épico.

Diante de nomes de pessoas, o uso do artigo denota familiaridade. Não se deve usá-lo, portanto, quando a pessoa não for do convívio. Por exemplo, na frase, o governo de Fidel Castro atrasou o desenvolvimento de Cuba, não se deve usar o artigo antes de Fidel, pois ele não é do nosso convívio.

A familiaridade se encontra, portanto na frase O Antônio comunicou-se com o João.


 

87- Determine o caso em que o artigo tem valor de qualificativo.

  • Estes são os candidatos de que lhe falei.
  • Procure-o, ele é o médico.
  • Certeza e exatidão, estas qualidades não as tenho.
  • Os problemas que o afligem não me deixam descuidado.
  • Muita é a procura; pouca a oferta.

Qualificativo o que qualifica. Essa é função própria do adjetivo. O único adjetivo antecedido de artigo (e que se transforma em substantivo) é médico.

Nenhum comentário: