domingo, 7 de setembro de 2008

Prefiro mil vezes futebol do que basquete.

E eu prefiro estudar Português a falar errado. O verbo preferir não admite modificadores (mil vezes, muito mais, mais, antes...), não admite do que nem que. Admite apenas a prep. a. Quem prefere, prefere alguma coisa a outra. Portanto a frase apresentada deve ser corrigida para

Prefiro futebol a basquete.

São inadequadas frases como as seguintes:

Prefiro muito mais o Santos do que o Palmeiras.

Preferirei antes morrer que fugir aos meus princípios.

O certo é dizer o seguinte:

Prefiro o Santos ao Palmeiras.

Preferirei morrer a fugir aos meus princípios.

Outra questão relativa a esse verbo é o uso do artigo diante dos substantivos: não os usando, haverá sentido genérico; usando-os, específico. Por exemplo, a seguinte frase:

Prefiro vinho a cerveja é genérica, ou seja, sempre prefiro vinho; em qualquer ocasião prefiro vinho. Já esta frase:

Prefiro o vinho à cerveja é específica, ou seja, somente naquele momento preferirei o vinho.

Explicando com mais clareza: usa-se o artigo diante de ambos os substantivos somente em determinadas ocasiões. Por exemplo, em uma festa alguém me oferece vinho, e outra pessoa me oferece cerveja. Direi, então,

Prefiro o vinho que ele me ofereceu à cerveja que você me trouxe, ou seja Prefiro o vinho à cerveja. Outros exemplos:

Prefiro cinema a teatro.

Prefiro os livros de Machado de Assis aos de José de Alencar.


Se preferir, escute a explicação do prof. Dílson Catarino em seu programa Todas as Letras, da Rádio Universidade FM - 107,9.

Um comentário:

Toni Rss disse...

Obrigado me ajudou!