sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Dúvida de um internauta: tempos verbais compostos.

Quero agradecer você por mudar a vida de tanta gente para melhor; todo bom professor é uma dádiva de Deus. Adoro poesias e bons contos. Meu português não anda bem, pois vivo fora do Brasil há 8 anos e através do espanhol tenho aprendido muitas palavras que também fazem parte do nosso dicionário. Quero saber se a frase: Há comprado pão está certa.
Vilmar




Olá, Vilmar,

Há, na Língua Portuguesa, alguns tempos verbais denominados de tempos verbais compostos, que são formados pela junção de ter ou haver com o verbo principal no particípio. Por exemplo:

Pretérito mais que perfeito composto do indicativo: ter ou haver no pretérito imperfeito do indicativo + particípio. Por exemplo:

Eu tinha estudado ou Eu havia estudado.

Pretérito perfeito composto do indicativo, formado pela locução ter ou haver no presente do indicativo + particípio. Por exemplo:

Eu tenho estudado ou Eu hei estudado.

Ele tem estudado ou Ele há estudado.

No Brasil, o verbo haver é pouquissimamente (ou quase nunca) usado no pretérito perfeito composto do indicativo, mas é adequado ao Português padrão.

A sua frase, então, está certa:

Ele tem comprado pão ou Ele há comprado pão.

Estude todos os tempos verbais compostos no site Gramática On-line.

Dúvidas? Mande-me um e-mail.

4 comentários:

ELIS disse...

Oi professor sera que vc poderia mandar pra mim uma carta de parabens na segunda pessoa.

MEU EMAIL É ELISDIAS@HOTMAIL.COM...

TE AGRADEÇO MUITO SE VOCE FIZER ESTE FAVOR PRA MIM...

MUITO OBRIGADA...

Dílson Catarino disse...

Elis,
Não sei que espécie de parabéns você quer enviar. Se quer escrever uma carta em segunda pessoa, use "te, a ti, para ti, em ti, sem ti, contigo, teu(s), tua(s)". Por exemplo: "Quero te parabenizar por..."; "O que desejo a ti são felicidades..."; "Espero que contigo...".
Não se esqueça de concordar o verbo com "tu": "Tu deves..."; "Que tu sejas...", etc.

Keylly Eyglys disse...

Professor.
Estou com uma dúvia que não consigo tirar com nenhum professor.
Em alguns livros de gramáticas (e inclusive no seu site) existe o exemplo do plural de couve-flor, como uma forma de substantivo + substantivo, que de acordo com a gramática deve levar os 2 para o plural (tornando o plural couves-flores).
Mas na gramática também existe uma regra que diz que se o segundo substantivo estiver tipando (limitando) o primeiro, somente este (o primeiro) deve ir para o plural.
Pesquisando na internet, descobre-se vários tipos de couve (couve-flor, couve-rábano, couve-palmeira), o que me levou a concluir que "flor" em "couve-flor" estaria tipando o primeiro substantivo.

Considero que o correto seja "couves-flores" (por estar sendo utilizado como exemplo em diversas referências), mas não achei uma justificativa plausível (assumindo que existem outros tipos de couve e a segunda regra citada assima para o plural de substantivos compostos).

Agradeço a atenção.

Anônimo disse...

Professor...
Preciso de sua ajuda...
Estou fazendo um trabalho para recuperção escolar e há uma questão na interpretação do texto que diz:
Qual é a construção gramatical usada para criar fantasia?
Não encontrei ninguem que me tirasse essa duvida.
Por favor me ajude é pra hoje!
ass: Thallyson Paiva
thallyson1@hotmail.com